Pesquisar este blog

Seguidores do Nosso Bloguinho - Mural Blogger

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Metade de mim

                                                   poesia de Margarete Solange
Quem me dera pudesse trocar,
Reformar ou abandonar
Essa metade de mim
Que se enfada, reclama,
Não resiste, dá lugar à ira...
E diz coisas sinceras
Que ferem e magoam...
Essa metade que não consegue ser boa,
Lado ruim que, ao perceber nas pessoas,
Com veemência, critico
E recuso-me a tolerar.
Ah, eu queria ser somente
Esse meu lado solícito,
Que ri da adversidade,
Persevera sem se queixar,
Comemora vitórias,
E não fere ninguém...
Se pudesse prometer e cumprir
Seria justa e boa,
Para ser por todos aceita e amada.
Ah, como lamento que
Esse meu lado moderado...
Embora, por vezes, pareça inteiro,
É simplesmente uma outra
Metade de mim.

Fonte: Margarete Solange.
Inventor de Poesia:
Versos Líricos. 
Queima-bucha,
 2010, p.15

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Enfim... SÓS!!!


Oi, gentiii linda, moderna, fashion etc desse nosso lindo e imenso Brasil. Sabe como é, né? Eu Aninha DiCaprio, tendo que repetir um vestido em postagens vizinhas, coisa que não é bem de minha competência, tinha que ser por um motivo bem especial. Pois é, não deu tempo trocar de roupa, tive que correr para não perder o flagrante de certos noivos que estavam casando, digamos que... escondidinho. Fui voando... Casamento sempre me emociona! E esse, então, achei lindo, moderno, tudo de bom: uma obra de arte! Geralmente as pessoas casam e ficam contando as horas para dizer aquela tradicional frasezinha: ”Enfim sós”, mas nossos queridos amigos que protagonizam essa reportagem preferiram o "enfim sós" do começo ao fim da festa. Felizmente fui convidada para dar uma espiadinha ao longe. Quer dizer, convidada.... convidada mesmo não fui, não. Digamos que me convidei! Daí prometi solenemente que não contaria nada pra ninguém... Prometer... até que eu prometi, mas não resisti! Gentiii como eu poderia não mostrar pra vocês essas fotos que achei tão lindas, meigas... 








Um charme! Ai, ai, dá até vontade de casar também.
E ai, Leon? Tem algo a dizer?
É, parece que ele não quer falar nada, não. Está muito emocionado! Fica assim não, Leon, qualquer dia quando você crescer, vai encontrar uma Leona que seja a sua cara, ai, então, você casa também. 
Um brinde aos Noivos!
E um super beijo da Aninha e do Leon.

Espera ai, pessoal,
ainda falta um recadinho.
Para quem achou que as fotos 
ficaram um show e deseja 
entrar em contato com a fotografa, 
o nome dela é Ednária 
 e o telefone para contato é:
 8806-6621
Até a próxima... Valeu?!

sábado, 14 de janeiro de 2012

Natureza - Margleice Pimenta

Nosso destaque de hoje é a poeta Margleice Pimenta do Ceará. Ela não pode contemplar a natureza acordando, se exibindo ao sol ou se espreguiçando que já se inspira para fazer arte. Em dezembro de 2011, publicamos em nossa página sua poesia "Festa Matutina", agora estamos trazendo para vocês, também dessa jovem autora, “A Natureza”. E se você quiser ler mais sobre sua arte acesse seu site que estará disponível no final desta página. Big beijo da super Aninha, que coincidentemente sou eu, fashion de lilás, especialmente para você que curte e frequenta o Nosso Literário Bloguinho. 


A Natureza 
                                     poesia de Margleice Pimenta

O sertão é o lugar que habito
seus contrastes de cores,
entre o inverno e o verão
caminhar por veredas
 Ouvir o eco do vento em nossa direção
Andar nos carrascos
por debaixo de galhos
Observar as serras no horizonte
e o por do sol
para contemplar a beleza natural...


E ai, não está um espetáculo? Roubei do bloguinho dela para mostrar pra vocês. "Não conta pra ninguém... Jura! De coração, deixa ver? Agora é promessa, vai ter que cumprir!" **
Volta sempre tá, porque eu conto com você para aprontar todas essas aventuras! 


**
Referência
ao filme "UP, 
altas aventuras. 
D+++

Fotografia de Edmilson Rodrigues  


Margleice Pimenta, 

poetisa do Ceará,
escreve em português  e italiano. 
Para ler  "Festa Matutina" acesse
Para ler outras obras  dessa autora acesse



sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Saudade Ferina


Texto de Margarete Solange
Com ele aprendi tanta coisa. Ele me ensinou a amá-lo. O meu amigo tinha por mim um amor tão sincero. Ele me ouvia e compreendia, era sensível aos meus sentimentos. Caso eu estivesse triste, ele sentia, mesmo que eu nada lhe dissesse. Se me visse chorar, latia, saltitava tentando me alegrar.
Por causa dele, mudei, e fiz coisas que antes nem imaginava fazer. A minha mãe admirava-se de ver-me sentada na areia afagando-lhe o pelo. Na infância e juventude, eu tinha fobia a cães, não seria capaz de tocá-los de modo algum. Aprendi com ele uma nova maneira de ser e de amar. Foi tão surpreendente e doloroso vê-lo inerte, os olhinhos parados, fitando-me sem ver. Olhos lindos, que eu tanto amei.
Eu sabia que o futuro iria tirá-lo de mim; então, tomava posse do presente, apertando-o em meus braços, sabendo que aquele momento em breve seria passado. Agora, todas as noites uma saudade ferina grita o seu nome e ele não vem, porque não está em lugar algum, mas as lembranças dele estão por toda parte. E eu nem quero que elas me deixem, porque um grande amor a gente não quer esquecer.
Nono dia sem ele. É tão difícil não tê-lo... Ele ocupava um espaço muito grande em meu coração; agora, esse espaço está vazio. Com lágrimas nos olhos e uma profunda dor na alma escrevo e dedico a ele, o meu grande amigo Rex – Rei em latim – estas minhas palavras de lamento.
Ele se foi do mundo real... Mas ainda vive nas páginas da literatura: em cada poesia, em cada palavra na qual se transformou nesse novo mundo. Ele não era tão somente um vira-latinha... Era inteligente, alegre, divertido, apaixonado pela vida... Era o Rei REX... E eu o amava.

Um minuto de silêncio...

De repente a música do filme foi retirada...
 

E esse silêncio parece eterno!
As lembranças dele estão por toda parte. E eu nem quero que elas me deixem, porque um grande amor a gente não quer esquecer.










Esse era o seu abraço, esse foi o seu adeus.
Ele não era tão somente um vira-latinha...
Era inteligente, alegre, divertido, apaixonado...
Era o Rei REX...
E eu o amava!


Vídeo - Rex aluno nota dez




Texto: Margarete Solange
Imagens e fotografias: Rafaella Medeiros
Edição de imagens: Maressa